Sharing Competences in Strategic Alliances: A Case Study of The Cosan and Shell Biofuel Venture
Home Artigos MPCC

Sharing Competences in Strategic Alliances: A Case Study of The Cosan and Shell Biofuel Venture

Sharing Competences in Strategic Alliances: A Case Study of The Cosan and Shell Biofuel Venture

Luciana Florêncio de Almeida e Cláudio Antonio Pinheiro Machado Filho

Competências compartilhadas em alianças estratégicas: um estudo da aliança Cosan e Shell no mercado de biocombustíveis

 

Em um mundo competitivo, a maneira como uma firma estabelece seus arranjos organizacionais pode determinar sua capacidade de ampliar suas competências essenciais, bem como a possibilidade de atingir novos mercados. Empresas que atuam em apenas um mercado encontram obstáculos para se expandir e por meio de alianças elas encontram uma forma competitiva de criar valor. Formas híbridas apresentam–se primeiramente como alternativas de capturar valor e gerenciar ativos quando o mercado e a hierarquia organizacional não apresentam ganhos para a competitividade da firma. Como resultado, essa forma apresenta desafios como a alocação de direitos e os problemas de agência. O mercado de biocombustíveis tem apresentado mudanças contínuas nos últimos dez anos. Novos arranjos intra-firmas apareceram como um caminho para participar ou sobreviver no cenário de competição global. Dada a necessidade de capital para atingir melhores resultados, tem havido um movimento consistente de fusões e aquisições no setor de biocombustíveis, principalmente desde a crise financeira de 2008. Em 2011 existiam cinco grandes grupos no Brasil com capacidade de moagem de mais de 15 milhões de toneladas por ano: Raízen (jointventure entre Cosan e Shell), Louis Dreyfus, Tereos Petrobras, ETH e Bunge. Grandes companhias de petróleo têm adotado uma estratégia de diversificação como forma de proteção contra os crescentes custos do petróleo. Por meio da análise da aliança entre Cosan e Shell no mercado de biocombustíveis brasileiros, neste artigo avalia-se o modo de governança e os desafios que surgem quando as firmas buscam atingir novos mercado pelo compartilhamento de competências essenciais com empresas locais.

 

Neste artigo tem-se por base pesquisa documental e entrevistas com analistas do departamento de Relações com Investidores da Cosan e examinam-se as questões centrais que permeiam as formas híbridas por meio de Teoria dos Custos de Transação, Teoria da Agência, Visão Baseada em Recursos e da abordagem das capacidades dinâmicas.

 

Um ponto focal neste estudo é a apropriação do conhecimento e os ativos específicos gerados com a aliança estratégica. Uma vez que a aliança é formada espera-se que as competências sejam compartilhadas e novas capacidades expandam os limites da firma. Cosan e Shell compartilham uma série de recursos estratégicos relacionados às suas competências. A Raízen foi formada com base em incentivos econômicos, bem como na melhoria dos recursos internos que aumentassem a presença da empresa no setor de energia mundial. Entretanto, alguns desafios podem estar relacionados ao controle e ao monitoramento dos agentes, considerando que a empresa Raízen é composta por duas partes com culturas organizacionais, conhecimentos tácitos e incentivos de longo prazo distintos. O caso estudado ilustra um arranjo híbrido como forma alternativa de organizar as transações entre firmas: nem mercado nem hierarquia, mas sim uma forma mais flexível de arranjo com uma autoridade central. Os mecanismos de governança corporativa são igualmente um desafio, uma vez que o alinhamento entre companhias parentes em joint ventures é bastante complexo. Essas características conduzem a um organismo com dependência bilateral, oferecendo condições favoráveis para desenvolver capacidades dinâmicas. Entretanto, essas condições dependem dos interesses de longo prazo de cada participante da aliança estratégica.