Pelas ruas e nas páginas das revistas
Home Dissertações

Pelas ruas e nas páginas das revistas

Pelas ruas e nas páginas das revistas : Estratégias de construção da representação do morador de rua no discurso jornalístico de Ocas” e VEJA São Paulo

Guy Pinto de Almeida Jr.

Orientador(a): Profa. Dra. Tânia Márcia Cezar Hoff

Esta dissertação tem como tema as representações dos moradores de rua da cidade de São Paulo no discurso jornalístico veiculado nas revistas Ocas” e VEJA São Paulo. Nosso objetivo principal é analisar as estratégias do discurso jornalístico no que se refere à representação social do sem-teto nas referidas publicações. Já os objetivos secundários são: conceituar “cidade”, “pobreza” e “diferença”, a fim de relacionar os três conceitos ao fenômeno do consumo; identificar as representações sociais do morador de rua nos discursos jornalísticos nas duas revistas; identificar as estratégias de produção de sentidos do discursos jornalísticos sobre o tema moradores de rua em cada veículo; e comparar as estratégias de produção de sentidos identificadas, para refletir sobre algumas lógicas de produção do discurso jornalístico sobre a diferença. Quanto à fundamentação teórica, a análise de discurso
de linha francesa consiste em nosso principal aporte teórico, que será mobilizado em conjunto com as teorias do jornalismo, da cidade e da diferença. Empreendemos também uma pesquisa empírica de caráter documental, que resultou num conjunto de 203 textos jornalísticos publicados nas revistas no período de 2005 a 2012, sobre o tema morador de rua da cidade de São Paulo, a partir do qual elaboramos dois corpora: de Ocas” (16 textos) e de VEJA São Paulo (15 textos). Destacamos alguns resultados da análise desenvolvida: em Ocas”, o morador em situação de rua é representado como um cidadão detentor de direitos; já em VEJA São Paulo, ele é representado como um indivíduo estranho em relação à normatização da cidade. Diante desses resultados, podemos afirmar que o discurso jornalístico de ambas as revistas abriga estereótipos e reproduz desqualificações sociais do morador de rua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *