“Eu sou um gamer e Cosplayer”
Home Dissertações

“Eu sou um gamer e Cosplayer”

“Eu sou um gamer e Cosplayer”: Consumo de games míticos e sua repercussão na prática cosplay

Davi Naraya Basto de Sá

Orientador(a): Profa. Dra. Mônica Rebecca Ferrari Nunes

O presente trabalho tem o objetivo de estudar o consumo de games baseados em mitologias, aos quais chamamos de games míticos, e a sua repercussão na prática cosplay. A pesquisa reconhece a existência de duas matrizes narrativas mitológicas como lógicas para a produção de outros textos culturais como os games e os cosplays analisados durante o desenvolvimento do trabalho. Para realizar este estudo, primeiramente demonstramos a importância do consumo de games na sociedade atual por meio de autores como Mike Featherstone, Grant McCracken, entre outros. A seguir, com base nos estudos de estruturas mitológicas descritas pelas pesquisas de Mircea Eliade, identificamos a primeira matriz narrativa por meio da análise do game Pokémon, apontando como este jogo usou de estruturas mitológicas para criar sua própria narrativa. No caso da segunda matriz, o game utilizado para análise foi Age of Mythology e, neste caso, percebemos o uso de uma mitologia já existente e sua tradução para a produção da narrativa do jogo. Compreendemos, também, que esta tradução é uma transcriação, baseado nos estudos de Haroldo de Campos. Na terceira parte do trabalho, foi discutida a prática cosplay , em que jovens se vestem e atuam como personagens midiáticos especialmente aqueles vindos de games míticos. A pesquisa conta com resultados de visitas a campo a eventos de animes, onde se reúnem os cosplays, na capital do estado de São Paulo e também se vale de documentos coletados em eventos da cidade do Rio de Janeiro. Aqui as análises foram orientadas pelas reflexões de Nunes e de Perper e Cornog. Entendemos que a mitologia ainda é um produto de amplo consumo na contemporaneidade. Consideramos que o consumo aparece nas dimensões materiais, simbólicas e midiáticas e também como pertencimento e propulsor de identificações, além de se relacionar com a comunicação e a cultura compreendida como memória.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *