Consumo da telefonia móvel por jovens universitários
Home Dissertações

Consumo da telefonia móvel por jovens universitários

Consumo da telefonia móvel por jovens universitários: o papel da comunicação na construção da identidade do jovem

Denio Dias Arrais

Orientador(a): Marcia Perencin Tondato

As relações que envolvem a comunicação e o consumo com a cultura impactam no que é entendido na atualidade por sociedade contemporânea. Estas relações influenciam os indivíduos em sua maneira de comunicar e consumir. Procuramos com este trabalho entender os processos de comunicação e a formação de identidade do jovem universitário, entendido aqui como ator do consumo moderno. A fundamentação teórica dessa pesquisa reside em trabalhar os conceitos de comunicação e consumo, cultura e identidade. Foram analisados os movimentos da comunicação e do consumo a partir do uso que o jovem universitário faz da telefonia móvel e dos aparelhos celulares. Consumo e cidadania são abordados a partir de Garcia Canclini, que entende o consumo como uma das dimensões do processo comunicacional e de pertencimento social. Em Featherstone verificamos reflexões sobre a cultura e consumo na modernidade tardia, contexto no qual o jovem faz suas mediações. Para falar da tecnologia e da cultura da convergência presente nas práticas e modos de comunicar do jovem, partimos das ideias de Jenkins. Hall colabora para o entendimento da formação da identidade do jovem universitário como processo complexo e cultural caracterizado pelos modos de uso, consumo e comunicação, próprios da telefonia móvel. A metodologia adotada para realização do trabalho contempla, além da pesquisa bibliográfica, um mapeamento quantitativo com o objetivo de levantar dados sobre o consumo cultural do jovem  universitário. Os instrumentos utilizados para este mapeamento foram questionários estruturados, aplicados em faculdades da capital e do interior do estado de São Paulo. O mapeamento foi válido para extrair elementos trabalhados nas entrevistas que foram realizadas para a identificação da atribuição de sentido dada pelos jovens ao consumo de celulares, levando em consideração as reflexões teóricas discutidas na pesquisa  bibliográfica. Assim foi possível identificar a presença do celular nas relações cotidianas dos jovens e identificamos os processos de formação de identidade. No aspecto geral deste estudo tivemos como resultado que o jovem tem no celular um instrumento que vai alem do uso material e funcional, o celular é o telefone da pessoa, nele estão presentes partes da identidade de seus usuários na personalização de conteúdos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *