Comunicação, educação e consumo
Home Dissertações

Comunicação, educação e consumo

Comunicação, educação e consumo: por uma pedagogia da igualdade e da liberdade

Regina de Lima Pires

Orientador(a): Maria Aparecida Baccega

A era do consumo traz enormes desafios aos cidadãos. Permeada por múltiplos avanços tecnológicos, ela tem entre seus protagonistas da trama cultural os meios de comunicação. Por sua vez, o local pertinente para a construção do diálogo e para a formação de sujeitos críticos é a educação. Os desafios do campo da comunicação/educação na era do consumo serão um dos pontos analisados nesta pesquisa, que tem entre seus objetivos estudar o consumo cultural de um grupo de educandos, moradores da Vila Brasilândia, bairro periférico da cidade de São Paulo. Buscamos orientação em um referencial teórico, não apenas da comunicação, da educação e do consumo, mas também da antropologia do consumo, da história, da economia e da sociologia para procurar entender a trama cultural onde estão envolvidos os educandos. A pesquisa ocorre ao longo dos encontros em um trabalho de educação não formal com estes educandos, alunos de escolas públicas, vivendo em situação de pobreza, discriminação racial, violência simbólica e física. Durante toda a pesquisa, utilizamos com os educandos um processo dialógico-comunicativo, passamos pela produção de sentidos e trabalhamos a língua e sua competência social, linguística e ideológica. Formado por crianças, jovens e uma adulta, este grupo de educandos é constituído por sujeitos em diferentes fases de desenvolvimento, com diferentes capacidades cognitivas e com situações familiares distintas. Em dois anos de pesquisa com o grupo, por meios de quatro palavras geradoras (sua rua, seu bairro, sua escola e sua cidade), eles produziram textos e desenhos. Por meio de uma metodologia específica, buscando mostrar como o mundo em que vivem é editado, produzimos um jornal: “As notícias correm”. O percurso da análise aponta, por fim, como estes educandos têm consciência de si e do mundo em que vivem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *