A percepção do jovem sobre a saudabilidade do café
Home Dissertações

A percepção do jovem sobre a saudabilidade do café

A percepção do jovem sobre a saudabilidade do café

Roberta Prado Rodrigues

Orientador(a): Luciana Florêncio de Almeida

O objetivo do estudo foi compreender a percepção do jovem sobre o café como parte de hábito saudável em sua rotina. A pesquisa exploratória qualitativa se volta para o consumidor de 19-25 anos, período relevante para desenvolvimento de comportamentos duradouros para a saúde. Foram consideradas dezessete entrevistas em profundidade. Os roteiros foram sustentados pelos conceitos do Health Belief Model (HBM), classificado como um dos modelos mais utilizados para explicar comportamentos de saúde. As variáveis preditivas do HBM foram adaptadas ao contexto e delas emergiram sete categorias analíticas para interpretação através da análise qualitativa de conteúdo. Os resultados demonstraram que, em geral, o café não está associado a hábitos saudáveis. Apesar do vínculo forte com a bebida, os jovens não são familiarizados com todos os seus benefícios funcionais. A percepção é limitada: o café é fonte de disposição e energia (produtividade) ou de relaxamento (prazer). Identifica-se também signos adicionais: o café é instrumento para socialização. Em outras palavras, o café é tido pelos jovens como um grande aliado da vida adulta, o que justifica sua relevância nesta fase de busca por independência. Assim, a percepção do café como parte de um comportamento saudável pode ser estimulada se o público jovem obter maior  conhecimento dos benefícios do café (principalmente os que se encaixam na rotina típica) e das doses diárias seguras de cafeína, que ainda são superiores à frequência de consumo deste público, que por vezes percebe a substância como um vício em potencial. Além disso, o posicionamento que relaciona o café como aliado para atividades físicas parece ter o maior potencial, uma vez que é a variável mais associada à saúde e já é um hábito na rotina. Contudo, o café como combustível para hábitos saudáveis parece ser crível e relevante aos olhos do público pesquisado. Já os benefícios ligados à prevenção de doença apresentaram menor credibilidade e relevância.